ATIVIDADE DO EXTRATO DE CAFÉ VERDE (Coffea arabica L.) SOBRE OS PARÂMETROS BIOQUÍMICOS DE RATOS DIABÉTICOS

Isadora Silva Boneli

Resumo


RESUMO: Diabetes mellitus (DM) é ainda um sério problema de saúde pública, carente de novas alternativas terapêuticas. Plantas estão entre as possíveis fontes de novos compostos com ação anti-hiperglicêmica ou servindo como fitoterápicos. Neste estudo, nós avaliamos o efeito anti-hiperglicêmico (dosagem da glicemia de jejum) do extrato etanólico das folhas de Coffea arabica L. (Café verde) administrado por gavagem (dose oral de 300 mg/kg/dia) a ratos Wistar com DM tipo 1 induzido por aloxana, durante 90 dias. A efetividade deste tratamento em atuar sobre outros biomarcadores das funções hepática, renal e de perfil lipídico também foram avaliados. Após os três meses, os ratos diabéticos tratados com Coffea arabica L. não tiveram uma diminuição na glicemia de jejum, comparado aos ratos diabéticos não tratados. Além disso, este extrato não preveniu a oxidação proteica no fígado e nos rins, mantendo a função desses órgãos igual ao dos animais não tratados. O extrato de café verde não influenciou nos níveis de triglicérides sérico e colesterol dos animais diabéticos. Portanto, nós demonstramos que o extrato de Coffea arabica L. não influencia nas consequências trazidas pelo diabetes mellitus e não previne típicas complicações do DM, tais como os danos oxidativos em glândulas salivares.

ATIVIDADE DO EXTRATO DE CAFÉ VERDE (Coffea arabica L.) SOBRE OS PARÂMETROS BIOQUÍMICOS DE RATOS DIABÉTICOS

RESUMO: Diabetes mellitus (DM) é ainda um sério problema de saúde pública, carente de novas alternativas terapêuticas. Plantas estão entre as possíveis fontes de novos compostos com ação anti-hiperglicêmica ou servindo como fitoterápicos. Neste estudo, nós avaliamos o efeito anti-hiperglicêmico (dosagem da glicemia de jejum) do extrato etanólico das folhas de Coffea arabica L. (Café verde) administrado por gavagem (dose oral de 300 mg/kg/dia) a ratos Wistar com DM tipo 1 induzido por aloxana, durante 90 dias. A efetividade deste tratamento em atuar sobre outros biomarcadores das funções hepática, renal e de perfil lipídico também foram avaliados. Após os três meses, os ratos diabéticos tratados com Coffea arabica L. não tiveram uma diminuição na glicemia de jejum, comparado aos ratos diabéticos não tratados. Além disso, este extrato não preveniu a oxidação proteica no fígado e nos rins, mantendo a função desses órgãos igual ao dos animais não tratados. O extrato de café verde não influenciou nos níveis de triglicérides sérico e colesterol dos animais diabéticos. Portanto, nós demonstramos que o extrato de Coffea arabica L. não influencia nas consequências trazidas pelo diabetes mellitus e não previne típicas complicações do DM, tais como os danos oxidativos em glândulas salivares.


Palavras-chave


Diabetes mellitus, Coffea arabica L., Parâmetros bioquímicos.

Referências


ABRAHAO, S. A. et al. Compostos bioativos e atividade antioxidante do café (Coffea arabica L.). Ciênc. agrotec. 2010, vol.34, n.2, pp.414-420.

AITKEN-SAAVEDRA, Juan et al. “Salivary Gland Dysfunction Markers in Type 2 Diabetes Mellitus Patients.” Journal of Clinical and Experimental Dentistry 7.4 (2015): e501–e505.

AMERICAN DIABETES ASSOCIATION. Standards of medical care in diabetes.Diabetes Care 2004;27(1):S15-S35

BATTRAM DS, ARTHUR R, WEEKES A, GRAHAM T. The glucose intoleranceinduced by caffeinated coffee ingestion is less pronounced than that dueto alkaloid caffeine in men. Journal Nutrition 2006.

BURTIS, C.A. AND ASHWOOD, E.R. (1999) Tietz Textbook of Clinical Chemistry. 3rd Edition, W. B. Saunders, Philadelphia.

CAO Z, Cooper ME. Pathogenesis of diabetic nephropathy. J Diabetes Investig. 2011;2(4):243-7.

EIJZERS GKB, DE GALAN BE. Caffeine can decrease insulin sensitivity inhumans. Diabetes Care 2002.

JAOUHARI et al., The hypoglycemic activity of Zygophyllum gaetulum extracts in alloxan-induced hyperglycemic rats. Journal of Ethnopharmacology. 2000.

KALLUF, Lucyanna. FITOTERAPIA FUNCIONAL DOS PRINCÍPIOS ATIVOS À PRESCRIÇÃO DE FITOTERÁPICOS. 1ª ed, 2008.

LAMBA, S. S.; BUCH, K.Y.; LEWIS, H.; LAMBA, H. J. Phytochemicals as potential hypoglycemic agents. Studies in Natural Products Chemistry, v. 21, p. 457- 495, 2000.

LANE JD, SURWIT RS, BARKAUSKAS CE, FEINGLOS MN. Caffeine im-pairs glucose metabolism in type 2 diabetes. Diabetes Care 2004.

LERCO, Mauro Masson; et al. Caracterização de um modelo experimental de Diabetes Mellitus, induzido pela aloxana em ratos. Estudo clínico e laboratorial. Acta Cirúrgica Brasileira - Volume 18, 2003.

MASTERS, K. Spray drying. In: MUJUMDAR, A.S. Advances in drying. Washington: Hemisphere, 1980.

MOHAMED, Jamaludin, A. H. NAFIZAH, Nazratun, et al. Mechanisms of Diabetes-Induced Liver Damage. The role of oxidative stress and inflammation. Sultan Qaboos Univ Med J, may, 2016. 16(2): e132–e141.

PETRIE HJ, CHOWN SE, BELFIE LM, et al. Caffeine ingestion increases theinsulin response to an oral-glucose-tolerance test in obese men beforeand after weight loss. American Journal of Clinical Nutrition, 2004.

ROBINSON LE, SAVANI S, BATTRAM DS, MCLAREN DH, SATHASIVAM P,GRAHAM TE. Caffeine ingestion before andoral glucose tolerance testimpairs blood glucose management in men with type 2 diabetes. Journal Nutrition, 2004 .

SIMÕES, Mário Henrique Souza. Caracterização de compostos bioativos e avaliação dos efeitos do extrato hidroetanólico de folhas do cafeeiro (coffee arábica) sob o perfil lipídico, estresse oxidativo e agragação plaquetária em ratos dislipidêmicos. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmacêuticas) – Universidade Federal de Alfenas, 2014.


Texto completo: PDF PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.