ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO: TRATAMENTO ATRAVÉS DA RESTRIÇÃO E INDUÇÃO DO MOVIMENTO

CAROLINE ALVARENGA DE ASSIS SANTANA

Resumo


Os acidentes vasculares encefálicos (AVE) quando não causam a morte, resultam em lesões neurológicas, causando seqüelas, como a incapacidade para as atividades diárias. As lesões trazem dificuldades para a vida diária do paciente e nesse caso, é necessário buscar um tratamento complementar, como a fisioterapia com o objetivo de reabilitar. A reabilitação é fundamental na recuperação dos movimentos perdidos com a doença. O objetivo deste estudo foi rever a literatura relacionada a utilização da terapia de restrição e indução ao movimento (TRIM) na reabilitação das complicações motoras nas atividades da vida diária de pacientes que sofreram AVE.

Trata-se de um estudo de revisão bibliográfica em que a pesquisa da literatura foi realizada por meio de livros e bases eletrônicas de dados LILACS e SciELO, de janeiro de 2008 a dezembro de 2016 e capítulos de livros utilizando palavras-chave incluindo: “Acidente Vascular Cerebral”, “fisioterapia”, “mobilização”, “reabilitação”, “reabilitação neurológica”, “terapia de restrição e indução ao movimento”. Apesar da escassez de estudos encontrados demonstrando a utilização da terapia de restrição e indução ao movimento na reabilitação pacientes que sofreram AVE o seu uso, otimiza o tratamento do paciente  e  possibilita obter resultados satisfatórios nos movimentos funcionais.

 


Palavras-chave


Acidente Vascular Encefálico; Reabilitação Neurológica; Fisioterapia.

Referências


ANDRADE, Suellen Mary Marinho dos Santos. Neuroestimulação no Tratamento do Acidente Vascular Cerebral: Ensaio Clínico, Duplo-Cego, Placebo-Controlado. 105p. Tese de Doutorado, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, Brasil. 2014.

ANTUNES.Jéssica Evangelista. Fernanda Hagta Oliveira. RAMOS, Gabrielly Craveiro. PRUDENTE, Cejane Oliveira Martins. Influência do controle postural e equilíbrio na marcha de pacientes com sequela de acidente vascular cerebral. Rev Fisioter S Fun. Fortaleza, 2016 Jan-Jul; 5(1): 30-41

BRASIL. Ministério da Saúde. Diretrizes de Atenção à Reabilitação da Pessoa com Acidente Vascular Cerebral. Brasília: DF, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretária de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada. Manual de rotinas para atenção ao AVC. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

BUENO, Giedre Della Piazza. LÚCIO, Adélia Correia. OBERG, Telma Dagmar. CACHO, Enio Walker Azevedo. Terapia de restrição e indução modificada do movimento em pacientes hemiparéticos crônicos: um estudo piloto. Fisioter. Mov. 2008 jul/set;21(3):37-44.

CANCELA Diana Manuela Gomes. O acidente vascular cerebral - classificação, principais consequências e reabilitação. 2008. Disponível em: Acesso em: 18 ago. 2016.

CANUTO, Mary Angela. NOGUEIRA, Lídya Tolstenko. Acidente vascular cerebral e qualidade de vida: uma revisão integrativa. Rev. pesqui. cuid. fundam. (Online); 7(2):2561-2568, abr.-jun. 2015.

CARVALHO, Maria Iasmin Félix de . DELFINO, Juvina Auana de Sousa. PEREIRA, Wallingson Michael Gonçalves. MATIAS, Ana Caryne Xenofonte. SANTOS, Edige Felipe Sousa. Acidente vascular cerebral: dados clínicos e epidemiológicos de uma clínica de fisioterapia do sertão nordestino brasileiro. Revista Interfaces: Saúde, Humanas e Tecnologia, Vol. 2, Nº 6, Ano 2, 2014.

DINIZ, Leila. Abranches, Márcia Helena Santos. Neuroplasticidade na terapia de restrição e indução do movimento em pacientes com acidente vascular encefálico. MedReabil 2003; 22(3): 53-5.

GIRÃO. Sônia Marisa Morais. Determinantes da incapacidade funcional em doentes com AVC. Escola Superior de Saúde de Viseu. 2016.

MAGALHÃES, Jéssica. LETIERE, Miriangrei. SILVA, Adriana Teresa. REIS. Luciana. Efeito da Terapia de Restrição e Indução ao Movimento em Pacientes Hemiparéticos Crônicos Pós-AVC. Revista Neurociencias. 2013;21(3):333-338

MENEGHETTI, Cristiane Helita Zorél. SILVA, Juliana Alves da. GUEDES, Cristina Aparecida Veloso. Terapia de restrição e indução ao movimento no paciente com AVC: relato de caso. Revista Neurociencias. 2010;18(1):18-23.

MIRANDA, Gilza Brena Nonato. MELO, Renata Amanajás de. Aplicação do protocolo modificado da terapia de restrição e indução ao movimento em paciente com acidente vascular encefálico: estudo de caso. Revista Paraense de Medicina - V.27 (4) outubro-dezembro 2013.

SCHEFFER, Morgana. KLEIN, Lidiane Andreza. ALMEIDA, Rosa Maria Martins. Reabilitação neuropsicológica em pacientes com lesão vascular cerebral: uma revisão sistemática da literatura. Avances enPsicologíaLatinoamericana/Bogotá (Colombia)/Vol. 31(1)/pp. 46-61/2013/ISSNe2145-4515

SILVA, Ana Paula Lucena Cardoso da. LIMA, Marise Garcia Ferreira. ROCHA, Luciana Barbosa. A contribuição da terapia ocupacional em adaptações e orientações domiciliares de pacientes com diagnósticos de acidente vascular cerebraL (AVC). Multitemas n. 23, nov. 2001.

SILVA, Emanuel de Jesus Alves da. Reabilitação após o AVC. Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, 2010

SOARES. Antônio Vinícius. GESSER, Emília. ANDRADE, Camile. MESADRI, Thiago Julian. SANTOS, Sheilla Blank de Oliveira dos. BORGES JÚNIOR, Noé Gomes. Cicloergometria adaptada para pacientes hemiparéticos por acidente vascular cerebral. Arquivos Catarinenses de Medicina, [S.l.], v. 45, n. 1, set. 2016. p. 108. ISSN 18064280. Disponível em: . Acesso em: 06 dez. 2016.

TEIXEIRA, C.P. SILVA, L.D. As incapacidades físicas de pacientes com acidente vascular cerebral: ações de enfermagem. Enfermería Global Nº 15 Febrero 2009.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.